Blog Clube Auge.

Seus pequenos preparados para o mundo.

Aprenda as três regras de sucesso para aplicar diante da birra das crianças

birra mãe consolando filho

Aprenda as três regras de sucesso para aplicar diante da birra das crianças

birra mãe consolando filho

A birra é uma explosão de raiva muito comum em crianças de 1 a 3 anos de idade. Ela faz parte do processo de maturação do cérebro. Ou seja, é um comportamento biologicamente normal, mas nada aceitável socialmente, o que faz os pais, muitas vezes, perderem a cabeça e não saberem como agir.

Neste artigo, vamos explicar por que de uma hora para a outra as crianças se jogam ao chão, gritam e choram. Você vai ver também como prevenir estes episódios e vai conhecer as três regras de sucesso para aplicar diante da birra de seu filho. Boa leitura!

 

O que é a birra?

Como citamos acima, a birra é um comportamento resultado do desenvolvimento do cérebro. Este órgão só atinge o amadurecimento pleno por volta dos 20 anos de idade. Até lá, diversas ligações de neurônios são realizadas para que o cérebro possa comandar todas as nossas funções motoras, cognitivas e socioemocionais.

A birra, então, é uma resposta de um cérebro imaturo que ainda não sabe lidar com as emoções e os sentimentos. Assim, situações potencialmente estressantes como fome, exaustão, cansaço, frustração, exposição a ambientes barulhentos ou com muita gente fazem o cérebro da criança liberar adrenalina e cortisol. Estes hormônios são os responsáveis pelos ataques de fúria dos pequenos.

Apesar de este comportamento incomodar quem está presenciando a cena, a birra reflete que a criança está em pleno desenvolvimento, já que demonstra ter a própria personalidade a partir da expressão da vontade dela.

A birra costuma ser mais intensa entre 1 e 3 anos de idade. Porém, ela pode se prolongar até os 6 anos e, se pais, responsáveis e professores não souberem como orientar as crianças, estas explosões de raiva podem perdurar até a fase adulta.

Por isso, é essencial sabe como agir diante da birra das crianças. Veja, a seguir, as três regras de sucesso.

 

3 regras de sucesso para aplicar diante da birra das crianças

 

1 – Silêncio pró-ativo

Na maioria das vezes, a birra acontece em lugares que nos desestabilizam. Ou seja, não é dentro de casa, onde está só você e seu filho. Geralmente, há estranhos presenciando a cena e isso faz com que as nossas emoções também sejam confrontadas. Então, se agimos no impulso, acabamos perdendo a cabeça e tomamos atitudes não-saudáveis.

Desta forma, a primeira regra é: respire fundo e silencie-se.

Tente entender qual é a causa da birra e tenha empatia pela criança. Depois disso, é hora do próximo passo.

 

2 – Valide o sentimento da criança

Ela está fome? Está cansada? Está frustrada? Após identificar o motivo da birra, diga à criança o que ela está sentindo e que você entende que é ruim estar com fome, sono ou ouvir um “não”.

Nomear as emoções é acolher. Experimente dar um abraço. Essa ação é poderosa para controlar o ataque de fúria.

 

3 – Solucione o problema ou redirecione a criança

Atenção! Solucionar não é ceder ao desejo da criança. A solução deve ser para os casos de fome e cansaço, por exemplo.

Mas, se o motivo da birra for porque o pequeno quer brincar mais no parque e já é hora de ir embora, você deve seguir o que foi combinado.

Justifique à criança o motivo de vocês terem que ir embora. Isso significa que ela vai parar de chorar? Não. Mas, esse processo é fundamental para que ela desenvolva as próprias ferramentas para lidar com a frustração.

A dica é redirecioná-la, ou seja, apresentar algo para desviar o foco do estresse. Você pode dizer, por exemplo, que ao chegar em casa vocês vão poder tomar um banho e brincar de espuma no chuveiro.

Muitas vezes, acabamos cedendo aos desejos da criança porque estamos sem paciência no momento ou com pressa para chegar a algum compromisso. Mas, quando agimos assim, ensinamos ao cérebro dela que a birra é a atitude correta para ela ter o que deseja e, desta forma, só reforçamos este mal comportamento.

Agora que você já aprendeu como agir diante da birra, veja que há formas de preveni-la. Acompanhe o próximo tópico.

 

Como prevenir a birra

Rotina e previsibilidade são dois fatores essenciais para prevenir novos episódios de birra, principalmente no caso das crianças pequenas.

Por isso, evite mudar a rotina de alimentação e de sono da criança. Se ela for enfrentar alguma situação diferente, como ir a um lugar com muitas pessoas e barulho, converse previamente com ela. Explique o que vai acontecer lá e que se ela se sentir incomodada, pode lhe avisar. Nesta conversa, olhe nos olhos da criança. Isso transmite segurança e confiança.

Se você sabe o que desencadeia a birra, faça combinados. Por exemplo: se vocês vão ao shopping e sabe que o pequeno sempre pede para comprar um brinquedo, já combine com antecedência que você não vai comprar nada. Isso não garante que ele não vai lhe pedir algo.

Pelo contrário, é quase certo que, chegando lá, a criança vai insistir para ter o que deseja. Nessa hora, você vai olhar nos olhos dela e dizer: “Lembra do que combinamos?”. Se mesmo assim a birra acontecer, siga as três regras citadas acima.

 

E quando a birra se torna agressiva?

Em alguns casos, a criança pode mais do que gritar e se jogar ao chão, ela pode ter um comportamento agressivo. Quando isso ocorrer, os pais e ou responsáveis devem estabelecer o limite, falando claramente e olhando nos olhos da criança “não pode”.

Acolha, explique o motivo e redirecione a criança. Dizer apenas “não” pode não ter sentido para o pequeno. É preciso explicar: “não faça isso porque se não você vai machucar o amigo”.

Entretanto, é preciso estar alerta a birras muito frequentes ou comportamentos agressivos, pois eles podem estar relacionados a algum tipo de problema que a criança está enfrentando. Pode ser tanto um motivo físico, como uma intolerância à lactose, por exemplo, ou algo psicológico como o bullying.

Para saber mais sobre o assunto, leia o artigo Criança agressiva: identifique a causa e saiba como agir.

E, caso seja necessário, procure ajuda de um pediatra ou psicólogo para lhe orientar.

 

Seja exemplo de bom comportamento para seu filho

Lembre-se sempre de que os filhos têm os pais como principais exemplos de vida. Então, se você não deseja uma criança birrenta em casa, policie suas atitudes nos momentos de estresse e de raiva. Evite manifestações exacerbadas como bater portas e jogar objetos no chão, principalmente, na frente dos pequenos.

Eles nos observam a todo tempo e repetem as nossas atitudes. Então, foque em ensiná-los a ter autocontrole e a fazer uma boa gestão das emoções.

Quer saber como ensinar essas competências socioemocionais para seu filho de maneira lúdica e divertida? Acesse o site do Clube Auge e transforme o momento de lazer de sua família em oportunidade para desenvolver a inteligência emocional nas crianças. Clique aqui.

 

Powered by Rock Convert
Compartilhe em suas redes sociais!